tudo é provisóriamente eterno para os poetas... tudo é eternamente provisório para os amantes e o poema apenas a configuração do instante.

-Capinam-

10 de abril de 2011

Pelo espelho: A fera em si mesmo.

Não tenha medo da mordida, da fome de carne humana, de intensidade, de tudo o que é fugaz.


Olhou pro espelho e viu a fera que mora dentro de si... a fera, a verdade, a vontade... o ranger de dentes. Sentiu o sangue pulsando, os sentidos despertos, as pupilas dilatadas e tudo ao alcance dos dedos... tudo possível. O tudo. A vontade de pular, correr, quebrar... de sexo selvagem sem bom dia no dia, no dia que se segue, sem saber será bom dia. Quis sentir tudo o que dá pra sentir... o abraço, a língua, o álcool, a musica, o gozo e a incerteza da existência de um a manhã ou de uma porra qualquer que vá além do que acontece no agora. Ouviu dizer que anda muito impaciente, querendo as revoluções pra hoje, pra daqui a pouco depois do ultimo gole... o gole que dá força pro mal traçado dessas poucas tortas linhas de texto que talvez não faça o mínimo sentido pra outrem, depois. Olhou pro espelho e viu no olho um vermelho, desfocado, quase saltado da órbita e o próprio corpo querendo saltar, sair de si, arranhar, quebrar, atingir... Lembrou da moça bonita, aquela que todos estavam querendo... que ele provavelmente deveria querer... mas de verdade tem pensado que talvez seja de si e de suas escolhas viver só, valorizar os mistérios e a dor da solidão... Pensou ser deveras estranho por não gostar de nada que é superficial... por ser alguém que gosta da profundidade das coisas, mesmo sabendo que a profundidade também traz dor. Pensou que talvez seja bem esse o próprio jeito de amar e viver. De amar a impossibilidade aparente e querer que continuem impossíveis os amores todos. Talvez seja isso mesmo... a escolha de ser poeta solitário, no medo do que quer que seja que possa por correntes no seu coração... de que se mantenha preso a algum lugar qualquer mesmo que esse outro lugar seja um alguém. Lembrou que vive de amor e de dor e de sonhos e só. Que pela dor aprendeu, na carne, viver o amor.

É noite e quem se atreva a olhar no espelho verá os próprios demônios e gostará deles.

4 selos:

branquinhasocial2010 disse...

"Sentiu o sangue pulsando, os sentidos despertos, as pupilas dilatadas e tudo ao alcance dos dedos... tudo possível. O tudo. A vontade de pular, correr, quebrar... de sexo selvagem sem bom dia no dia, no dia que se segue, sem saber será bom dia. Quis sentir tudo o que dá pra sentir... o abraço, a língua, o álcool, a musica, o gozo e a incerteza da existência de um a manhã ou de uma porra qualquer que vá além do que acontece no agora."

Trecho eletrizante! alucinante!
Adorei... eu ate sentir algoooo uiiiiii

bjoss

Keka | @keeeka disse...

"Não tenha medo da mordida, da fome de carne humana, de intensidade, de tudo o que é fugaz."

"...o gole que dá força pro mal traçado..."

"É noite e quem se atreva a olhar no espelho verá os próprios demônios e gostará deles."

Maaassa demais! Curti muito seu texto!
Beijo, mulher! :}

Thay Luzo disse...

"...mas de verdade tem pensado que talvez seja de si e de suas escolhas viver só, valorizar os mistérios e a dor da solidão..."

Eis a questão...ponto X do ser ou não ser...
Dá uma boa discussão, tanto pra quem escreve, quanto pra quem lê...

Belo texto. =)

Camila Cutrim disse...

Visceral.

Postar um comentário